quarta-feira, 20 de Maio de 2009

Na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença...


A L., uma das minhas melhores amigas, decidiu casar, ao fim de 7 meses de namoro com a sua paixão do Verão passado. Deu-me a grande novidade e presumiu - vá-se lá saber porquê - que eu iria rasgar o meu maior sorriso, saltar de felicidade e dizer-lhe que tomou a decisão mais sábia da vida dela. Possivelmente era o que devia ter feito, à semelhança da N., que pensou exactamente o mesmo que eu mas conseguiu disfarçar melhor o que verdadeiramente lhe ia na alma.

Contudo, a surpresa e a indignação devem ter-se estampado na minha cara de uma forma tão óbvia que nem os meus parabéns (únicas palavras que consegui balbuciar num espaço de tempo que me pareceu uma eternidade) puderam equilibrar o estrago feito pela minha expressão.

Até este preciso momento ainda não consegui compreender como é que se tomam decisões destas. Provavelmente nunca vou compreender. Isto de decidir estar todos os dias da minha vida, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença, até que a morte me separe do gajo que conheci no Verão passado ali na praia da Mariana, tem muito que se lhe diga. Não sei, digo eu...Já a L., diz que eu sou demasiado céptica. Serei, talvez.

E vocês, o que é que pensam sobre isto?

16 comentários:

  1. Eu só posso falar da minha experiência pessoal :-)

    Eu e o meu marido namoramos 9 meses e casamos.
    Casamos porque nos amavamos, porque tinhamos a vida organizada (apesar de sermos os dois ainda muito novos) e tinhamos os dois a mesma vontade: construir uma familia.

    Estamos casados á 10 anos e temos 2 filhotas maravilhosas... e não é que até somos muito felizes? :-)

    Nunca acreditei que para ser ter "sucesso" num casamento temos que namorar uma data de anos e coisas que tais... acho mesmo que quando tem que dar certo: dá mesmo!

    Temos (como é óbvio) que contribuir todos os dias para o sucesso da relação e o que sinto é que hoje em dia as pessoas não têem paciência para aturar certas coisas e adaptações and so on... Acho que já começam as relações como o espirito de que "se não for á minha maneira... ele que vá á vidinha dele!"...

    O tempo traz-nos sabedoria...

    E prontos, de modos qué isto :-))))

    Beijocas

    ResponderEliminar
  2. Não te preocupes. Felicita-a, dá-lhe toda a tua força e confia que num Universo em constante mudança, ela só estará a dar um passo que vale pelo que vale.
    O casamento, há muito que não é até ao fim das nossas vidas, mas mais a concretização social de um amor, de uma paixão ou de uma ligação mais especial.
    ´É verdade que sete meses não dão para conhecer ninguém, mas não precisamos de namorar X anos para querermos casar com alguém, mas se queremos ver reconhecido pela sociedade o nosso amor, então casamos.

    ResponderEliminar
  3. Eu nunca faria isso mas o que é bom para mim nem sempre é bom para os outros e já está mais que provado que eu de relações não devo perceber mesmo nadinha (mas vou sempre aprendendo). Já comentei noutros blogs contando a história do casal que ao fim de 8 anos de namoro se casou e quando voltou de lua de mel estavam já decididos a divorciar-se, ainda tentaram mas não resultou mesmo. Quem sabe a tua amiga até venha a ter um casamento longo e feliz.
    Às vezes temos de apoiar mesmo que a compreensão não esteja ao nosso alcance, acho que estás nessa situação.

    ResponderEliminar
  4. Qualquer coisa que me cheire a casamento dá-me urticária, nem que o namoro tenha durado 10 anos :D

    ResponderEliminar
  5. A mim também me faz espécie. :) Mas a verdade é que não quer dizer rigorosamente nada. Há muitos casos em que se vê as pessoas a namorar anos e anos, certas do que querem, e não aguentam um ano. Eu tenho para mim que quando for, saberemos desde logo.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Quem sabe se não é o amor da vida dela...se não for tu e a N. estarão aí para a apoiar!

    ResponderEliminar
  7. Estará grávida??? lolol

    A mim parece-me precpitado, até porque casar não é garantia nem prova de nada. É só um passo que acabapor nem ser necessário numa relação.
    Contudo, eles são os únicos que poderão saber se é o mais acertado ou não. Às tantas são mesmo almas gémeas...se é que isso existe.

    ResponderEliminar
  8. Estive mais de 5 e menos de 10 anos à espera da altura certa para casar, resultado: terminou.

    Tanto o homem, como a mulher, esperam do parceiro(a) gestos ou sinais que demonstrem que a relação está bem alicerçada.

    Não há que arriscar (só). Há que cimentar/reforçar a relação com pequenas coisas.

    Há quem necessite de muito tempo, para outros basta um ápice de tempo para tomar decisões desta natureza.

    ResponderEliminar
  9. estou com a sereia... se não correr bem e for um caso de divórcio após mais uns 7 meses de casamento, lá estarás tu para dar o apoio necessário :)

    *

    ResponderEliminar
  10. Estou contigo! Parece ser uma maluquice... Infelismente, são as maluquices que melhor sabor têm! Pode ser que corra bem, senão prepara-te porque ela vai precisar de quem a ampare quando voltar à realdade!

    Beijoquinha e bom fds!

    P.S. Been there, done that! E até agora, não obstante me parecer uma relação no mínimo bizarra (que não servia para mim) até nem está a correr mal...? Vá-se lá perceber?

    ResponderEliminar
  11. sete meses? Acho que isso não dá para conhecer minimamente a pessoa. Acho sim que hoje as pessoas se juntam ou casam com quem troca de camisola. Rídiculo mesmo

    ResponderEliminar
  12. Epah... 7 meses? Alguém que conheceu o Verão passado?
    É um passo muito grande! Mas eles lá sabem...

    ResponderEliminar
  13. Apesar de eu não conseguir ser assim embora esteja a fazer progressos nesse sentido, acho bem. Antes casar agora no meio da paixão, do que deixar arrefecer as coisas. No mínimo ficará a boa recordação deste momento.

    ResponderEliminar
  14. Que casar deve ser uma decisao ponderada. nao se pondera em 7 meses.

    ResponderEliminar
  15. eu compreendo bem o desejo do compromisso e de estar com alguém para o resto da vida.

    de qualquer modo, também me parece que 7 meses não são suficientes para suportar esse desejo em algo mais do que um sentimento que pode ser muito efémero.

    mas que sei eu? há namoros e namoros... em 7 meses posso aprender mais sobre alguém e até sobre mim própria do que durante muitos anos; por outro lado, também podem ser 7 meses de ilusão, de um presente perfeito mas de futuro incerto...

    acho que ninguém se casa a pensar "que se lixe! se não der certo, divorciamo-nos!". mas que, depois, isso acontece (cada vez mais), acontece! é muito importante que a tua amiga e o noivo tenham aprendido a ceder-se um ao outro, sem ressentimentos e a dividir a sua atenção entre si próprio e o outro. se eles conseguiram ou conseguirem isso, acho que deves ficar muito feliz pela tua amiga, pois são sentimentos capazes de preencher uma pessoa :)

    ResponderEliminar